Receitinha: Shake de Capuccino Vegan! 

Receitinha: Shake de Capuccino Vegan! 

Agora vou começar a postar algumas receitas que costumo fazer em casa! 🙂 Essa é a melhor forma de mostrar como é meu dia a dia vegano: sem frescuras, sem complicações, livre de crueldade animal e muito gostoso!

Ingredientes:

✔2 bananas congeladas.

✔1 colher de sopa imensa  de pasta de amendoim (amo).

✔1 copo de leite de amêndoas. 

✔1 colher de sopa rasa de café solúvel.

✔1 colher de café de essência de baunilha.

✔Nibs de cacau pra gourmetizar e ficar bonito. 

Modo de preparo:

Bate tudo no liquidificador e divirta-se! 😂💚 #govegan 

*Eu não costumo consumir açúcar, mas você pode adoçar do jeito que quiser. O segredo pra esse shake ficar docinho é congelar bananas bem maduras.  

Gostou? Se você fizer a receita, depois conta aqui o que achou! 

Anúncios

Sabores do Congo!

Passeando em São Paulo fui conhecer o Congolinária. Me surpreendi quando soube que ele era vegano e fiquei muito curiosa pra saber como era a culinária típica da República Democrática do Congo.

O Congolinária fica localizado no espaço gastronômico O Quintal de Casa no Itaim Bibi. Lá você encontra diversas opções veganas e não veganas. O lugar é uma delícia!

Agora vamos lá! Eu AMEI o Congolinária, o tempero é muito diferente de tudo que já provei! Os pratos são ricos, muito coloridos e bem servidos 🙂 Eu experimentei o Choux: repolho refogado à moda congolesa. O Ngombe: nhoque de banana da terra ao molho de shimeji ou molho choux. Para beber, fui de Tangawisi Suco: bebida típica africana de gengibre e abacaxi. A sobremesa foi deliciosa e chama Omomba: doce de biomassa de banana da terra e pasta de amendoim. Eu optei pelo combo que incluía prato principal, sobremesa e o suco.

prato
Ngombe – Nhoque de banana da terra ao molho de shimeji ou molho choux
sobremesa
Omomba – Doce de biomassa de banana da terra e pasta de amendoim

Quem quiser conferir o cardápio completo, pode acessar o site do Congolinária. Lá tem tudo sobre essa culinária linda! Clique AQUI.

Sobre a República Democrática do Congo  – Texto do Congolinária 

A República Democrática do Congo (antigo Zaire), também chamada de Congo Kinshasa para diferenciar do vizinho Congo (ou Congo-Brazzavile), é o terceiro maior país em extensão territorial do continente africano. As principais riquezas nacionais são as reservas minerais de diamantes, ouro, ferro, urânio e coltan.

O país tornou-se nos últimos anos foco de conflitos na região dos Grandes Lagos Africanos e cerca de 6 milhões de pessoas já morreram em consequência desses conflitos. Entretanto, ao contrário do que a maioria das pessoas pensam, especialmente no ocidente, esses conflitos armados não são originados por conflitos étnicos-tribais, não existe Guerra Civil na República Democrática no Congo, os congoleses não estão a guerrear entre si, eles estão à mercê da invasão sistemática e contínua de países vizinhos, financiados por gigantes multinacionais interessados em obter as riquezas minerais do Congo, sem pagar um preço justo por elas.

O minério mais cobiçado pelo mundo hoje é o Coltan. O Congo possui mais de 64% da reserva mundial do Coltan (nome Popular da África Central, para designar as rochas formadas por dois minerais: columbita e tantalita). Da tantalita se extrai o tântalo, metal duro de transição, de cor azul acinzentado e brilho metálico, resistente à corrosão e que é usado em condensadores para uma enorme variedade de produtos, como telefones celulares, computadores e tablets, bem como em aparelhos para surdez, próteses, implantes e soldas para turbinas, entre muitos outros. Em decorrência desses conflitos armados, a população congolesa é subjugada e violentamente oprimida há 20 anos.

Se for conhecer o Congolinária, depois conta aqui o que achou! 😉

 

 

 

Como consumir mais orgânicos?

tomato-1205699_1920

Os alimentos orgânicos são aqueles que não utilizam nenhum tipo de fertilizante químico ou agrotóxico no seu cultivo. A sua produção não agride o meio ambiente e nem o solo. Para cultivar orgânicos são utilizadas técnicas naturais, como compostagem e adubação verde.

Mas porquê os alimentos orgânicos são melhores para o consumo? Na agricultura convencional são utilizados produtos – inseticidas, fungicidas, adubos químicos – que interferem no alimento. Além disso, esses pesticidas agridem o solo, o ar e a água.

Os orgânicos são mais saudáveis, seus nutrientes são preservados, eles são mais frescos e você pode usufruir de todas as vitaminas e minerais do alimento.

De acordo com dados do Ministério da Agricultura, o mercado de produtos orgânicos deve crescer entre 20% e 30% este ano, atingindo faturamento de R$ 2,5 bilhões.

Para muitas pessoas consumir orgânicos ainda é muito caro, mas algumas alternativas podem ajudar a acrescentar mais desses alimentos no dia a dia:

– Evite comprar orgânicos no supermercado, a não ser que essa seja sua única alternativa. Os preços praticados são muito mais altos! Com um pouco de calma e pesquisa, você consegue incluir orgânicos na sua alimentação sem pesar tanto no bolso.

 – Busque pequenos produtores em feiras, grupos de compras coletivas e cestas direto do produtor, em alguns casos, eles entregam em casa. Moro em Sorocaba, interior de São Paulo. Faço parte de uma CSA – Comunidade que Sustenta a Agricultura – semanalmente busco 1 cesta de orgânicos composta por 13 itens produzidos por agricultores de Sorocaba e região. O valor mensal é de R$160,00.

– Escolha alimentos da estação. A oferta é maior, e você encontra alimentos frescos e mais baratos.

– Em São Paulo o Instituto Chão oferece uma boa variedade de produtos orgânicos pelo preço do produtor. É uma ótima alternativa para quem mora na grande São Paulo.

Os alimentos orgânicos possuem três classificações principais:

Produtos orgânicos certificados

Recebem selos que garantem aos consumidores que as práticas foram seguidas. Isso é importante, por exemplo, para quem compra em redes de supermercado e não tem nenhum contato com os produtores. O processo de certificação é concedido por entidades chamadas de “organismos certificadores da conformidade orgânica” credenciados ao Ministério da Agricultura. Isso aumenta, no entanto, o preço final do produto

Produtos orgânicos não certificados

São produzidos a partir das práticas da agricultura orgânica, mas não têm o selo que comprove isso. A “certificação” sobre o produto ocorre com base em visitas feitas diretamente pelos consumidores ou por participantes de grupos que eles integram ou em que confiam

Produtos em transição agroecológica

Uma fazenda que usa agrotóxicos pode mudar todas as suas práticas para as da produção orgânica. Mas os produtos não podem ser imediatamente considerados orgânicos porque o solo ainda contém, por exemplo, resquícios de agrotóxicos. Os produtos desse momento de transição da prática tradicional para a orgânica são chamados de “em transição agroecológica”

Fonte: Conselho Federal de Nutricionistas

Na hora de comprar, é importante estar atento a estas certificações para não “comprar gato por lebre”.

O consumo de orgânicos é bom para a saúde e ajuda agricultores próximos de você. O instituto Kairós realizou uma pesquisa e constatou que consumir orgânicos não é tão caro quanto se imagina. Os preços mais elevados dos produtos são praticados no supermercado. Para se ter uma ideia, no supermercado, os orgânicos podem custar de 2 a 4 vezes mais.  Quem quiser saber mais sobre a pesquisa, é só clicar AQUI!

A minha alimentação não é 100% orgânica. Mas, quanto menos consumir agrotóxicos, melhor é para a saúde. E você, o que acha?

Sobre mudanças… 

Este espaço fala sobre mudanças. Um novo estilo de vida que encontrei na minha eterna busca pelo que sou e o que estou fazendo neste planeta.

Em fevereiro de 2016 me tornei vegana, mas três anos antes eu já buscava uma vida mais saudável, parei de beber, mudei minha alimentação e encontrei na atividade física saúde e disposição.

A princípio a  busca era pelo corpo que eu julgava perfeito, mas a transformação na saúde foi se tornando mais forte e evidente, trazendo a tona um amor próprio que estava sendo negligenciado.

Por aqui pretendo falar sobre estas transformações, o dia a dia no veganismo e como isso vem mudando minha saúde física, mental e espiritual.

É preciso muita coragem para mudar, todos os dias é preciso coragem. As transformações são extremamente diárias e constantes!

Seja bem-vindx!

Também estou no Instagram e Facebook! Aparece por lá! 😉